Gerenciamento em tempo de crise

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Por muito tempo as inconsistências econômicas do mercado brasileiro apenas insinuaram a possibilidade de uma crise. Apesar de, desde 2013, muitos analistas já apontarem para uma inevitável guinada na boa situação produtiva em que o país se encontrava, muitos eram otimistas (alguns céticos) a ponto de sequer se prepararem para dias difíceis.

Agora já não existem pontos de contestação. A crise econômica alcançou o mercado e contestá-la perdeu o sentido. Muitos profissionais buscam recolocação e as perspectivas para os próximos meses não são as melhores.

Diante disso, muitos devem estar se perguntando qual rumo tomará o Gerenciamento de Projetos. A preocupação agora é em entender qual o caminho mais promissor diante das dificuldades enfrentadas pelos profissionais dessa área, que passou os últimos anos em franca expansão e agora lida com baixas que começam a afetar cada setor da economia brasileira.

A demanda por projetos

O futuro dos principais grupos de projetos em um cenário como o atual não é tão difícil de prever. Historicamente, em situações semelhantes, verifica-se:

  • Desaceleração de projetos de expansão que representem custos elevados de curto prazo e benefícios apenas no longo e médio prazo: aquisição de bens de capital, aquisição/implantação de novos sistemas etc.;
  • Aumento das restrições em projetos executivos (novos e já iniciados), visando redução dos recursos utilizados: construções, montagens eletromecânicas, eventos etc.;
  • Aumento dos projetos de reestruturação processual, visando redução dos custos produtivos: mapeamento, análise, otimização e redesenho de processos técnicos e administrativos;
  • Aumento dos projetos de terceirização de atividades organizacionais secundárias que representem menor custo quando adquiridas esporadicamente: planejamento, orçamentação, contabilidade, advocacia etc.

Apesar de haver exceções a cada um dos casos apresentados, pode-se verificar com boa assertividade a ocorrência dos mesmos. Isso sugere certos caminhos preferenciais a serem tomados pelos profissionais de Gerenciamento de Projetos no atual cenário, visando manter suas atuais posições e/ou adquirirem outras, disponíveis no mercado:

  • Foco em redução de custos por meio de: incrementos de produtividade, tecnologias alternativas, análise global de custos, revisões orçamentárias, redução de desperdícios etc.;
  • Reengenharia de processos;
  • Estruturação de equipes enxutas e multifuncionais;
  • Inventariado, dentre outras.

Pode parecer um clichê analisar tais aspectos como essenciais nos dias de hoje, porém, quantas vezes, caro leitor, em toda sua carreira, você se deparou com situações de mudança consciente que provocassem economia efetiva em um quadro organizacional? Grande parte dessa cartilha fica apenas no discurso anual de gestores que sequer realizam uma análise sistemática de seus projetos e optam por demissões quando a situação “aperta”.

Entendendo o mercado antes de agir

Muitos profissionais bem qualificados acabam sem uma posição satisfatória em situações como a atual. Isso se deve, em vários casos, ao fato desses indivíduos acumularem conhecimentos, especializações e experiências que não são interessantes para o mercado ou que são encontradas em abundância.

Qualquer que seja sua área, o conselho agora é ir além do Gerenciamento de Projetos e do senso comum. A probabilidade de sucesso aumenta a partir do momento em que se possuem elementos curriculares complementares, capazes de propiciar resultados consistentes.

Seja a habilidade de manuseio de um software ou ferramenta, um novo idioma, conhecimentos técnicos / administrativos ou quaisquer outros demandados por sua área de atuação, o importante é eliminar suas limitações e adquirir de forma objetiva o que for exigido pelo mercado. Não perca tempo com “modas” profissionais e fórmulas milagrosas. Entenda o que os gestores querem e trabalhe por isso.

Tornar-se mais interessante para o mercado em situações como essa é uma questão de sobrevivência. Afinal, como diria Buffet, um dos maiores investidores de nossa época: You only find out who is swimming naked when the tide goes out (Você só descobre quem está nadando pelado quando a maré baixa).

 

Por Bruno Augusto de Matos e Silva

http://pmkb.com.br/artigo/o-gerenciamento-de-projetos-em-dias-de-crise/

 


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Face!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *